“A lei do Espírito e da Vida, em Cristo Jesus, me libertou da lei do pecado e da morte.”(Rm 8.2)

Confissão:Eu vivo pela lei do Espírito e da Vida. O Espírito da Vida dentro de mim me conduz em triunfo sobre todo pecado. O pecado não tem mais domínio sobre mim, porque estou debaixo da graça de Deus e do Espírito da Vida.

 

13.05.17 [21º Dia Jejum O PÃO DOS FILHOS] –O PÃO, O VINHO E O DÍZIMO

 

Eu me converti numa pequena igreja tradicional há quarenta anos atrás. Naquela época não tínhamos o costume de entregar o dízimo em todos os cultos como fazemos hoje, mas os dízimos eram entregues somente no dia da Ceia, uma vez por mês. Eles não faziam isso porque eram excêntricos ou rejeitavam o dinheiro, mas porque tinha uma convicção espiritual de que o dízimo é algo que está intimamente ligado com o pão e o vinho.

De onde eles receberam essa convicção? Certamente foi por causa da primeira menção do pão, do vinho e do dízimo. A primeira menção do pão e do vinho juntos está em Gênesis 14 quando Abraão é abençoado por Melquisedeque que lhe traz pão e vinho e ele como resposta entrega-lhe o dízimo de tudo. Assim na primeira menção do pão e do vinho também também a primeira menção do dízimo.

Após voltar Abrão de ferir a Quedorlaomer e aos reis que estavam com ele, saiu-lhe ao encontro o rei de Sodoma no vale de Savé, que é o vale do Rei. Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; era sacerdote do Deus Altíssimo; abençoou ele a Abrão e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, que possui os céus e a terra; e bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus adversários nas tuas mãos. E de tudo lhe deu Abrão o dízimo. Então, disse o rei de Sodoma a Abrão: Dá-me as pessoas, e os bens ficarão contigo. Mas Abrão lhe respondeu: Levanto a mão ao SENHOR, o Deus Altíssimo, o que possui os céus e a terra, e juro que nada tomarei de tudo o que te pertence, nem um fio, nem uma correia de sandália, para que não digas: Eu enriqueci a Abrão. Gn. 14:17-23

A lei da primeira menção é um princípio da hermenêutica que determina que a primeira menção de qualquer assunto na Bíblia determina o seu sentido em linhas gerais no resto das escrituras. Assim a primeira menção do pão, do vinho e do dízimo juntos certamente é importante para nós.

 

O rei de Sodoma e o Rei de Salém

Quando Abraão voltou da batalha contra os quatro reis que tinham levado Ló cativo, ele trouxe todas as pessoas e todas as riquezas de Sodoma consigo. Foi nesse momento que o rei de Sodoma e também Melquisedeque rei de Salém lhe saíram ao encontro. Não é por acaso que esses dois reis foram encontrar Abraão ao mesmo tempo.

Porque Melquisedeque apareceu a Abraão aqui e não em nenhum outro momento? Creio que a razão disso é porque esse foi o momento que o rei de Sodoma veio para tentar a Abraão. Assim era essa a hora que Abraão necessitava da ministração de Melquisedeque. Por isso Melquisedeque trouxe pão e vinho para nutrir a Abraão.

Depois de uma grande batalha Abraão estava cansado e fraco. Esse é o momento em que somos mais propensos a cair na tentação. Mas o Senhor Jesus na pessoa de Melquisedeque trouxe pão e vinho para fortalecer a Abraão contra as tentações do rei de Sodoma.

O rei de Sodoma disse a Abraão que ele poderia ficar com todas as riquezas, mas Melquisedeque abençoou a Abraão dizendo que o Deus altíssimo possui os céus e a terra. O diabo pode oferecer riquezas, mas apenas Deus possui todas as coisas. Nós servimos a esse Deus.

Não é que Abraão não queria ser rico, ele apenas não queria se enriquecer da maneira do rei de Sodoma, ele preferiu entregar o dízimo de tudo o que possuía. Nós enriquecemos entregando o dízimo.

A primeira razão da queda de Ló é que ele não tinha uma fé própria, mas seguia a fé de outro. Mas a segunda razão é que ele seguiu o rei de Sodoma em vez de seguir a Malquisedeque. Não se menciona que Melquisedeque tenha oferecido pão e vinho a Ló que também estava ali. Isso nos mostra que Ló não tinha a revelação da ceia do Senhor.

A comunhão do Corpo não é oferecida a todos. É somente para aqueles que possuem a fé do tipo de Abraão. O dízimo não é para todos, é somente para os crente do tipo de Abraão.

Abraão trouxe de volta todos os bens do seu sobrinho, mas Ló não entregou o dízimo e, no final todos os seus bens foram destruidos em Sodoma. Ele certamente morreu pobre.

Nem todos estão aptos para entregar o dízimo, mas somente para aqueles que têm experimentado a bondade de Deus e tem entendido que o Deus Altíssimo possui os céus e a terra. Os dez por cento são apenas a declaração de que Deus é a nossa fonte.

Abraão teve a revelação de que ele não precisava seguir o rei de Sodoma para ficar rico. Ele sabia que servia a um Deus que possui todas as coisas. A mentalidade natural pensa que Deus tira de uns para dar a outros, mas a verdade é que Deus é tão rico que ele tem mais que o suficiente para abençoar a todos que o buscam. Infelizmente Ló não teve essa revelação e seguiu o rei de Sodoma. Por um momento teve riqueza e posição, mas no final perdeu tudo.

Entregar o dízimo é a resposta espontânea daquele que entendeu o pão e o vinho. Tanto o pão quanto o vinho traduzem o amor de Deus demonstrado na cruz. Quando entendemos esse amor nós simplesmente entregamos o dízimo como resposta a esse amor.

Essa é a razão porque Abraão podia dizer ao seu sobrinho: “pode escolher para onde ir.” Ele sabia que servia ao Deus Altíssimo que possui os céus e a terra. Não há o que temer nem o que reter quando conhecemos um Deus tão rico.

Abraão repetiu ao rei de Sodoma a mesma frase que Mequisedeque lhe tinha dito. Ele venceu a tentação do rei de Sodoma porque foi primeiro ministrado por Melquisedeque. Ele não aceitou as riquezas de Sodoma.

Abraão sabia que seria muito rico, por isso não queria que ninguém pensasse que sua riqueza procedia do rei de Sodoma. Ele queria que todos soubessem que sua riqueza procedia do Deus Altíssimo que possui os céus e a terra.

Aquele que possui a fé do tipo de Abraão pode dizer confiantemente: “Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na Casa do Senhor para todo o sempre (Sl. 23:6).

Mais tarde Deus mesmo vem para destruir a cidade de Sodoma. Ló tinha escolhido o rei errado. Depois disso Ló não é mais mencionado na Bíblia. Sua memória cessou e ele e sua esposa se tornaram apenas uma advertência para que não caiamos no mesmo erro (Lc. 17:32).

 

A ordem de Melquisedeque

Hoje o nosso sumo sacerdote é o Senhor Jesus. Mas as pessoas poderiam questionar, como ele poderia ser sumo sacerdote se ele era da tribo de Judá e o sacerdote deveria vir da tribo de Levi? A resposta é muito simples. Muito antes de haver sacerdotes em Israel havia um sumo sacerdote em Jerusalém chamado Melquisedeque.

Como em outro lugar também diz: Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque. Hb. 5:6

Tendo sido nomeado por Deus sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque. Hb. 5:10

Alguns acreditam que esse Melquisedeque era uma teofania, uma manifestação de Cristo em forma humana no Velho Testamento, outros porém acreditam que era um homem comum escolhido para ser um tipo de Cristo. Para mim isso não faz muita diferença, o ponto central é saber qual o significado desse homem.

Porque este Melquisedeque, rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, que saiu ao encontro de Abraão, quando voltava da matança dos reis, e o abençoou, para o qual também Abraão separou o dízimo de tudo (primeiramente se interpreta rei de justiça, depois também é rei de Salém, ou seja, rei de paz; sem pai, sem mãe, sem genealogia; que não teve princípio de dias, nem fim de existência, entretanto, feito semelhante ao Filho de Deus), permanece sacerdote perpetuamente. Considerai, pois, como era grande esse a quem Abraão, o patriarca, pagou o dízimo tirado dos melhores despojos. Hb. 7:1-4

Nesse tempo da graça nós ainda entregamos o dízimo. Abraão veio e entregou o dízimo de tudo o que possuía a Melquisedeque. Esse Melquisedeque que é um tipo de Cristo trouxe a Abraão pão e vinho representando a comunhão.

Nós ainda hoje praticamos a comunhão com o pão e o vinho porque estamos debaixo do sacerdócio de Melquisedeque. Não praticamos as coisas da lei representadas pelo sacerdócio levítico, mas como filhos de Abraão ainda estamos debaixo do sacerdócio de Melquisedeque.

A Bíblia não diz que somos abençoados com a bênção de Davi ou com a bênção de Daniel, mas diz que somos abençoados com a bênção de Abraão. Nós somos filhos de Abraão e Abraão chegou diante de Melquisedeque com a mãos cheias.

A salvação é chegar diante de Deus com as mãos vazias para receber, mas adoração é chegar com as mãos cheias para ofertar. Uma vez que você é salvo é uma vergonha chegar diante de Deus de mãos vazias como se ele não tivesse abençoado você. É um vexame chegar para adorar e não ter nada para dizer diante de Deus com mãos e coração vazios.

Abraão estava voltando de uma vitória sobre quatro reis. Melquisedeque vem ao seu encontro e lhe dá pão e vinho para o fortalecer, restaurar o ânimo e trazer descanso; mas Abraão traz o dízimo de tudo como forma de dizer o quanto Deus o tinha abençoado.

Muitos gostam de dizer que o dízimo é parte da lei, mas a verdade é que Abraão e Melquisedeque nunca estiveram debaixo da lei. Por que Abraão deu o dízimo? Por que dez? O que há de tão profundo a respeito da décima parte? Que revelação teve Abraão que o fez crer que se desse dez por cento a alguém estaria declarando a grandeza daquela pessoa?

Considerai, pois, como era grande esse a quem Abraão, o patriarca, pagou o dízimo tirado dos melhores despojos. Hb. 7:4

O objetivo primário do dízimo não é nos fazer prosperar, ainda que certamente isso acontecerá, mas o alvo primário do dízimo é proclamar quão grande é o Senhor Jesus. Esta é uma parte importante da nossa adoração. Nós sabemos que Melquisedeque é Cristo e a maneira como demonstramos a grandeza do Senhor é lhe entregando o dízimo.

Se o sacerdócio de Melquisedeque é eterno então o pão, o vinho e o dízimo também são perpétuos. Hebreus 7:8 diz que “aqui são homens mortais os que recebem dízimos, porém ali, aquele de quem se testifica que vive.” O pão e o vinho são para testemunhar da morte do Senhor, mas o dízimo é para testificar que ele vive eternamente. Quem recebe o dízimo de Abraão é o próprio Senhor Jesus, aquele que vive eternamente.

Você sabe o que significa ter Jesus vivo em sua vida? Isso significa que Ele virá em sua circunstância negativa e irá transformá-la em algo bom! Isso significa que haverá sinais e maravilhas porque Ele está vivo em sua vida. As pessoas vão olhar para você e dizer: “Como ele consegue ser tão abençoado, apesar da crise econômica?”.

 

O dízimo abençoará as gerações futuras

É por isso que Hitler odiava tanto os judeus. Ele tinha inveja porque não importava aonde os judeus fossem eles sempre enriqueciam. A semente natural de Abraão sempre parece acabar com o dinheiro nas mãos. Eles ainda não entendem quem coloca o dinheiro em seus bolsos, mas nós sabemos, é Jesus quem os está abençoando por causa de Abraão.

Abraão era um dizimista. Ele deu um décimo de tudo o que ele tinha a Melquisedeque, que era o próprio Senhor Jesus. Este ato afetou suas gerações futuras. Paulo disse que “também Levi, que recebe dízimos, pagou-os na pessoa de Abraão. Porque aquele ainda não tinha sido gerado por seu pai, quando Melquisedeque saiu ao encontro deste” (Hebreus 7:9–10).

Como isso era possível se Levi era bisneto de Abraão? Ele era uma dos filhos de Jacó, então como poderia ele ter pagado dízimos através de Abraão?

O que o Senhor está nos dizendo é que o dízimo tem poder de afetar as futuras gerações. Quando Abraão dizimou, Deus contou como se seu bisneto Levi tivesse dizimado também, e por causa disso Levi foi abençoado. Quando eu participo da Ceia as minhas filhas, netas e bisnetas são abençoadas por causa da aliança, mas agora aprendemos que também quando eu dou o dízimo, as minhas gerações são abençoadas. Essa é a graça de Deus, sua bênção que percorre gerações.

Muitos pastores jamis dirão isso, mas Deus abençoa nossas finanças, mesmo quando não damos o dízimo. O dízimo porém é um princípio que faz com que as bênçãos financeiras sejam ainda mais abundantes sobre nós. É o mesmo que ocorre quando uma pessoa aceita a Cristo em seu coração, porém, nunca estuda a Bíblia. Esta pessoa é salva e tem as bênçãos de Deus? Sim. Mas ela está perdendo muito de Jesus por não estudar a Bíblia.

Abraão estava sob a graça de Deus e não sob a lei. Sua fé lhe foi imputada como justiça porque ele estava debaixo da graça. Hoje estamos debaixo da graça como ele estava, por isso o dízimo ainda se aplica a nós. O dizimo ainda é aplicável para todo aquele que tem o mesmo tipo de fé de Abraão para ser justo.

Quando você tem a revelação de que o Senhor é a fonte de todas as suas bênçãos, então você dá o dízimo com um coração cheio de gratidão por Sua provisão. A gratidão é o resultado espontâneo daquele que entendeu o significado do pão e do vinho. Mas quanto mais entendemos o amor de Deus manifesto na cruz, mas nos dispomos a entregar o nosso dízimo.

Melquisedeque é eterno, porque é o próprio Cristo. O pão e o Vinho são eternos porque são o corpo e o sangue do Senhor. Se todas essas coisas permanecem então o dízimo permanece também, pois todos eles são mencionados juntos.

Nesse último dia de nosso jejum partindo o pão dos filhos, separe o seu dízimo e uma oferta especial de gratidão para aquele que possui os céus e a terra e que vai fazê-lo prosperar abundantemente.

 

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2015 Igreja Videira em Fortaleza/CE | Vivemos com amor.
Topo
Desenvolvido por AlissonDesign