Um alistamento para o exército de Cristo

Introdução:

No Sermão da Montanha o evangelista Mateus está a apresentar Jesus Cristo como o novo Moisés, daí o discurso ser proferido numa montanha (talvez,apenas uma colina), pois Moisés tinha recebido os 10 Mandamentos no monte Sinai.
Entretanto, Jesus afirmou que não veio para abolir a Lei ou os Profetas,[3] mas sim cumprir na sua íntegra (Mt 5.17).

• O sermão da montanha, conquanto dirigido especialmente para os discípulos, foi proferido aos ouvidos da multidão.
• Após a ordenação dos apóstolos, Jesus foi com eles para a praia do mar.
• Ali, de manhã cedo, começara o povo a se reunir.
• Além das costumadas multidões das cidades da Galiléia, havia gente da Judéia e da própria Jerusalém;da Peréia, de Decápolis, da Iduméia, para o sul da Judéia; e de Tiro, e Sidom, as cidades fenícias da costa do Mediterrâneo.

• “Ouvindo quão grandes coisas fazia” (Marcos 3:8), “tinham vindo para O ouvir, e serem curados das suas enfermidades. […] Porque saía dEle virtude, e curava a todos”. Lucas 6:17- A Constituição do Reino de Deus
• O evangelho de Mateus não está falando sobre a salvação e sim sobre o Reino e o Reino é o
• Governo de Deus sobre a terra é o propósito da criação do homem, pois o único lugar onde a vontade de Deus não é feito é na terra ou seja onde Deus ainda não governa.

• João Batista veio pregando arrependimento
• A palavra arrependimento significa “Mudança de mentalidade”.
• Esse arrependimento aqui não é para salvação, mas para o reino.
• O Reino dos céus aqui é o governo de Deus, então,João Batista estava chamando o povo para que Deus tomasse o governo de suas vidas.
• Eles não estavam tendo Deus no governo.

Reino dos céus

• Reino aqui significa o governo de Deus.
• Não se trata de salvação, mas de se estar ou não debaixo do governo de Deus;
• Hoje em dia temos muitos cristãos salvos, mas como não estão debaixo do senhorio e do governo de Cristo eles não estão no reino.
• Os cristãos devem ser os primeiros a se arrependerem.
• Não importa o quão íntegro e santo você seja, a única coisa que interessa é se você está ou não no reino, ou seja, se estão ou não debaixo do senhorio e da realeza de Cristo, se dependem ou não do Espírito;
• No Evangelho de Mateus não se trata sobre salvação, mas sim sobre o Reino, e o Reino é conquistado por esforço.

• Todo jovem aos 18 anos tem que prestar contas com a sua nação (Brasil), ou seja quando completa a maior idade.
• O encontro com Deus também é a idade que você completou e você foi alistado.
• Uns serão engajados outros não, serão dispensados…
• Muitos passaram num encontro com Deus com Jesus, e foi no monte “O Sermão do Monte”
• Eu creio que uns 10 mil, mas quantos ficaram? Além dos 12.
• Foram 3 dias O Chamado de Cristo para sua vida
• Com cada bem-aventurança, o abismo entre os cidadãos do reino e o mundo dos homens comuns se alargou.
• Jesus emitiu um nítido chamado a seus discípulos para que fizessem uma saída moral e espiritual de uma sociedade dominada pelo orgulho e paixão.
• E esta separação para uma nova vida deveria ser conclusivamente selada pela própria reação amarga do mundo.
• Eles seriam caluniados, assaltados e rejeitados.
• Os modos gentis e humildes deles jamais seriam suficientes para aquietar a sensação de embaraço, desconfiança e medo que seu comportamento justo evocaria.
• O rompimento deveria ser completo.
• John Stott, teólogo e escritor, diz que a essência do Sermão da Montanha foi o apelo de Cristo aos seus seguidores para serem diferentes de todos os demais.
• “Não sejam iguais a eles”, disse Jesus (Mt 6.8).
• O reino que Cristo proclamou deve ser uma contracultura, exibindo todo um conjunto de valores e padrões distintos.
• Desse modo, ele fala de justiça, influência, piedade, confiança e ambição, e conclui com um desafio radical para que se escolha o caminho Dele.
• Entretanto, ironicamente, o próprio povo que se tornou, com efeito, a escória da terra, na realidade, é a única esperança do mundo.
• Assim como as bem-aventuranças delinearam o caráter dos cidadãos do reino celestial,
• Assim agora as similitudes (Mateus 5:13-16) tornam claro o chamado deles.
• Ainda que apartados para Deus e distintamente separados da sociedade dos outros homens, eles são,contudo, relacionados com o mundo de um modo muito especial.
• O tempo, de algum modo, tem acabado o absurdo aparente desta cena na encosta galiléia.
• Jesus está dizendo a este grupo comum de homens e mulheres que eles foram marcados para preservar e iluminar o mundo.
• Eles tinham pouco dinheiro, nenhuma posição mundana, e nenhuma perspectiva.
• Muitos dos que estavam com certeza zombaram disso.
• Visionários levantaram-se na nação, criavam uma excitação momentânea e evaporavam (Atos 5:35- 37).
• As pobres perspectivas deste movimento fizeram com que até as visões sem esperanças de um Teudas ou um Judas da Galiléia parecessem positivamente promissoras.
• Contudo, o tempo iria revelar um admirável final.
• As coisas que pareciam tão duráveis, naqueles dias,se desvaneceram.
• O Império Romano desmoronou.
• A academia de Platão se fechou.
• As escolas dos estoicos e dos epicureus esmaeceram em uma curiosidade.
• A grande biblioteca de Alexandria incendiou-se.
• Mas a companhia dos cristãos resistiu.
• Eles ainda não possuiriam grande riqueza ou posição mundana, mas sua mensagem estaria muito viva e seu espírito vivaz.
• Vidas podiam ser mudadas por toda parte.
• Não nos surpreenderia que aquele que veio para salvar a uma humanidade perdida (Lucas 19:10) puxasse todos os seus discípulos para aquele grande empreendimento.
• Sua tarefa era tornar-se a tarefa deles; sua paixão, a paixão deles.
“Vós sois o sal d a terra” (Mateus 5:13). “Vós sois a
luz do mundo“(Mateus 5:14).
• As metáforas que Jesus escolheu para ilustrar a natureza crucial do chamado do reino foram confeccionadas com materiais caseiros comuns.
• Nenhuma casa da Palestina deixava de ter algum sal, ou uma lâmpada para espantar a melancolia da noite.
• O mundo dos homens, por causa do pecado, estava apodrecendo na escuridão.
• Os cidadãos do reino do céu estavam destinados a serem o sal para impedir a putrefação do pecado e a luz para penetrar seu escuro desespero.
• Jesus advertiu ainda seus discípulos que o mundo que eles pretendiam preservar , eles também tinham que perder.
• O reino do céu não pretendia-se fechar sobre si mesmo, como um mosteiro gigante.
• Não fora pretendido que os seus cidadãos vivessem em grande isolamento.
• Ainda que não sendo do mundo, eles teriam que estar muito dentro do mundo (João 17:14-15).
• Seu Mestre foi sempre um homem do povo.
• Sua vida foi vivida no meio de multidões apinhadas da Palestina.
• Ele sempre foi acessível, sempre vulnerável, sempre interessado.
• Ele passava o seu tempo entre os sofredores e os aflitos (Lucas 15:1-2).
• Isto é algo que os cristãos jamais devem esquecer.
• Podemos ser perseguidos com o ele foi (João 15:19- 20), mas jamais devemos permitir que nossa dor cesse a nossa compaixão.
• Podemos estar cansados às vezes, com o ele esteve, mas jamais poderem os permitir que nosso cansaço nos afaste das necessidades de outros.
• O reino lá de cima pode verdadeiramente ser uma cidadela contra o pecado, mas tem que ser sempre o refúgio para o pecador.
“Se o sal vier a ser insípido” (Mateus 5:13).
• Os cidadãos do reino, ainda que muito mergulhados no mundo, jamais devem tornar-se mundanos.
• O sal não pode perder sua salinidade (Lucas 14:34- 35; Marcos 9:50).
• Seu sabor depende da santa distinção de suas vidas e caráter.
• A paixão pela justiça jamais pode ser comprometida ou então a utilidade do discípulo chega ao fim.

• Ainda que o sal, de fato, não pode deixar de ser salgado, ele pode, como o pó salgado que se formas nas praias do Mar Morto, tornar-se tão poluído que seja tão inútil como o pó da estrada.
• Se, por concessões feitas ao mundo o sal for lavado de nós, deixando apenas um resíduo de mundana respeitabilidade, belos edifícios, círculos sociais agradáveis e rituais vazios, nós, também , nos tornaremos totalmente sem valor!
• Um pensamento final.
• Tão importante como é, para os cristãos, adorar a Deus de acordo com sua vontade,
• temos que nos lembrar de que os homens perdidos não serão levados a glorificar a Deus porque nós tomamos a ceia do Senhor cada mês.
• Eles podem , na verdade, serem levados a exaltar a Deus pelo amor quieto com que suportamos uns aos outros (João 13:34-35),
• pelo nosso domínio próprio quando enfrentamos grande provocação,
• pela nossa calma segurança em presença da tragédia, e nossa firme recusa a sermos arrastados para um mundo de insensatas concupiscências.
• Se ganhamos a vitória sobre um sistema mundano de orgulho e carnalidade (1 João 2:15-17;5:4) isso certamente aparecerá e Deus, não nós mesmos, será glorificado.

CONCLUSÃO:

* SALVAÇÃO – A salvação é de graça e também é um dom. Ela é de graça porque Jesus pagou o preço por ela. Ela é um dom e os dons são irrevogáveis.
* REINO – O Reino é conquistado por esforço, então, para ser salvo basta apenas crer, agora ser vencedor, entrar no reino é uma decisão pessoal.
* Não é uma questão de crer ou aceitar, mas é uma questão de se posicionar, agir.
* O que é ser vencedor? – É entrar debaixo do governo de Cristo, fazer a vontade de Deus.
• Só vai reinar com Cristo que estiver debaixo do governo dEle.
• Não importa o que você faça, o quanto você é bonzinho com as pessoas e as ajude-as, mas se voce é desobediente, você faz é o que você quer.
• Não tem disposição de abrir mão das suas vontades.
• De submeter as autoridades constituídas por Cristo
• não está debaixo do governo, não participará do reinado.

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2015 Igreja Videira em Fortaleza/CE | Vivemos com amor.
Topo
Desenvolvido por AlissonDesign